Cadeirante não faz prova de vestibular por falta de transcritor; Unemat e empresa afirmam que ele não apresentou laudo comprovando necessidade

Valter Lara precisava de transcritor (Foto: Reprodução/TVCA)

Um candidato cadeirante foi impedido de prestar a prova do vestibular da Universidade Estadual de Mato Grosso (Unemat), no domingo (9), em Tangará da Serra. Valter Lara, de 28 anos, precisava de um transcritor, mas quando chegou para fazer a prova, não havia o profissional para ajudá-lo.

Normalmemte, em concursos do tipo, candidatos com impossibilidades de escrever ou preencher o cartão-resposta podem contar com transcritores.

A empresa responsável pelas inscrições do concurso alegou que, no ato da inscrição, Valter não anexou o laudo que comprovasse a necessidade, bem como a solicitação de um profissional para transcrever as respostas dele.

Entretanto, Valter afirma que protocolou todos os documentos solicitados no ato da inscrição, inclusive a solicitação de um profissional que o auxiliasse durante o certame.

Jovem sofreu acidente e perdeu os movimentos das pernas e das mãos — Foto: Reprodução/TVCA

O jovem sofreu um acidente de trânsito há pouco mais de um ano. Por essa razão, perdeu o movimento das mãos e das pernas. Dessa forma, não consegue escrever e, por isso, precisava de um auxiliar que escrevesse as respostas no caderno de prova.

Valter concorreria a uma vaga para o curso de jornalismo. Ele disse que vai recorrer para que consiga o direito de prestar o vestibular.

A Unemat informou que tentou solucionar a questão e ajudar o candidato a fazer a prova. Porém, a empresa realizadora não encontrou a solicitação do profissional na inscrição de Valter.

Fonte: G1/MT

Comentários Facebook