Metade dos ferimentos de menino que teve o corpo queimado ao fazer pipoca já estão cicatrizados


O pai de um menino de 8 anos, que teve 45% do corpo queimado ao tentar fazer pipoca, em Tangará da Serra, diz que estava fazendo um trabalho do lado de fora da casa quando o acidente ocorreu, há cerca de uma semana.

“Eu escutei um grito e corri para ver o que havia acontecido. Fiquei desesperado ao ver meu filho daquele jeito”, disse José Antônio.

Ele contou ainda que o gás havia acabado e ele tinha improvisado um acendimento com álcool para fazer o almoço. Mais tarde, na tentativa de fazer a pipoca, o filho mais velho tentou acender o fogo e o álcool que estava em cima do fogão virou em cima de Josué, de 8 anos.

“Até hoje estou tentando entender como tudo isso aconteceu”, lamentou.

O pai relatou que a casa da família fica a cerca de 2 km da Unidade de Pronto Atendimento (UPA), então, ele resolveu levar o menino até o local.

“Para ser mais rápido, vesti uma camisa de manga comprida nele e levei para o hospital”, contou.

Segundo José Antônio, assim que chegou à UPA, Josué foi rapidamente atendido e em aproximadamente 40 minutos já estava medicado e sem dor. Depois de receber os primeiros socorros, o menino foi transferido para o Centro de Tratamentos de Queimados (CTQ), em Cuiabá.

Nesta segunda-feira (3), a família foi informada, pelos médicos, que Josué não vai precisar fazer cirurgia, como era a previsão anterior e que, 40% dos ferimentos já estão cicatrizados. Entretanto, não há estimativa de alta.

Com informações do G1/MT

Comentários Facebook