Prefeito da região é acusado de mandar agredir ex-servidor por vídeo crítico à sua gestão

Ex-servidor (à esquerda e no centro) acusa prefeito (à direita)

O ex-servidor público, Marcos de Souza, 35 anos, denunciou em reportagem publicada pelo site Muvuca Popular, de Cuiabá, que foi espancado a mando do prefeito de Lambari D’Oeste, (100 km de Barra do Bugres), Edvaldo Alves dos Santos (DEM), por fazer um vídeo criticando as condições do estádio municipal.

“O rapaz (agressor) falou na minha “cara”, com a minha mulher presente: ‘É, agora eu não quero ver você falando mais nada do prefeito da cidade, isso é para largar de ser bocudo’. Ele acabou comigo, me deixou no chão desmaiado. Eu tentava levantar, mas sem forças”, afirmou em entrevista exclusiva ao site cuiabano.

Conforme Souza, que foi demitido da prefeitura, após trabalhar por dois anos e sete meses como motorista, por volta das 17h30 deste sábado, 28, dois rapazes foram até a sua casa e o espancou deixando escoriações por todo seu corpo. De acordo com a vítima eram pessoas de fora da cidade “provavelmente de Cáceres”, desconfia.

As agressões teriam acontecido por retaliação ao vídeo (veja logo abaixo) que o ex-funcionário publicou criticando Edvaldo por não soldar a estrutura do estádio da cidade, mesmo tendo um soldador na prefeitura.

“Isso aqui é no estádio de Lambari do Oeste, a estrutura está caindo em tempo de machucar alguém, que situação está aqui, já pensou se isso cai na cabeça de alguém enquanto tiver jogando bola? Isso aqui é no vestiário. Agora cadê o prefeito da cidade, se não está conseguindo arrumar uma “estruturinha” dessa aqui, ele tem soldador na prefeitura, pelo amor de Deus, olha o perigo”, afirmou no vídeo, o que teria, segundo ele, levado o prefeito a mandar agredi-lo.

Entretanto, como as agressões aconteceram no final de semana, Souza declarou que faria o boletim de ocorrência (BO) na segunda-feira, 30, quando conseguiria fazer o exame de corpo de delito.

Além de denunciar o prefeito como mandante do espancamento, o ex-funcionário afirmou que também apresentará documentos comprometedores contra a gestão, para que responda na justiça por todas as irregularidades que eventualmente tenha cometido.

“Já vou denunciar também a compra de um lote milionário, de R$ 450 mil reais de um lote de um hectare e meio. Compraram por R$ 450 mil reais e não foi feito uma casa, já estou pedindo na Câmara de Vereadores a cópia da ata que os parlamentares aprovaram, e também da terraplanagem que vai ser feito em Lambari que não tem rede de esgoto”, finalizou.

Fonte: Muvuca Popular

Comentários Facebook