Mulher viciada em comer talco ingere cerca de um frasco por dia há 15 anos

Não dá para não se chocar com essa história, mas uma mulher revelou detalhes sobre um vício muito particular que possui: comer talco. Ela começou a fazer isso após o nascimento do seu quinto filho e, depois de 15 anos, finalmente decidiu buscar ajuda médica. As informações são do Daily Mail

Leia mais: Gêmeas siamesas nascem unidas por tórax e abdômen em Campo Grande; veja fotos

Lisa Anderson possui uma síndrome chamada Pica%2C que consiste no desejo de mastigar substâncias que não possuem valor nutricional arrow-options
Reprodução/dailymail.co.uk

Lisa Anderson possui uma síndrome chamada Pica, que consiste no desejo de mastigar substâncias que não possuem valor nutricional



A mulher dessa história é Lisa Anderson, de 44 anos, de Devon, na Inglaterra. Ela conta ao jornal britânico que sentiu uma vontade irrestível de comer talco quando seu filho era um bebê e o secava após o banho. Segundo a mulher, ela se sentiu muito tentada pelo cheiro do produto. 

“Eu já tinha usado nas crianças depois do banho sem problemas. Mas um dia o cheiro simplesmente me pareceu irresistível. Havia um pouco saindo da tampa da garrafa”, detalha. “Tive essa vontade súbita de comê-lo e simplesmente não pude lutar contra isso. Então simplesmente lambi das minhas mãos e gostei muito. Apenas chegou a esse ponto. Foi um desejo que eu nunca soube que tinha”, continua. 

Com o tempo, o desejo só aumentou. Hoje, a inglesa afirma que costuma comer o produto a cada 30 minutos, além de levantar várias vezes durante a noite para isso. E não pode ser qualquer talco. Não pode ser aqueles aromatizados, tem de ser o original da Johnson’s Baby. Lisa diz ainda que depois bebe um copo de água para limpar o paladar e que, quando está fora de casa mastiga balas de hortelã extra fortes para satisfazer seu desejo pela textura calcária. 

Ela estima que já tenha gastado cerca de 8.000 euros devorando seu talco favorito. O máximo que ela já conseguiu ficar sem ingerir o produto foram apenas dois dias. “Os frascos de 200 gramas eu como em um dia, mas os maiores levam uma semana e meia”, detalha ao jornal. 

A hora de buscar ajuda médica

mulher come talco arrow-options
Reprodução/dailymail.co.uk

Lisa só foi descoberta porque uma amiga invadiu o banheiro, suspeitando das suas idas frequentes

Lisa manteve o vício em segredo por todos esses anos- 15, no total. A mulher diz que só foi descoberta porque, um dia, sua ex-colega invadiu o banheiro em que ela estava, suspeitando das suas idas recorrentes ao local. Depois disso, a inglesa abriu a situação para uma amiga e resolveu também buscar a ajuda de médicos.

Os profissionais afirmaram que Lisa tem a síndrome “Pica” , que consiste na vontade de mastigar substâncias sem valor nutricional, como sabão, argila, terra, poeira, etc.

Leia mais: Zika tem efeito invisível em desenvolvimento neural de crianças

A síndrome Pica geralmente está associada a outras disfunções mentais, como autismo e esquizofrenia. Mas também pode estar relacionada a estresse e ao transtorno obssessivo-compulsivo. 

Riscos do talco para a saúde

O talco é uma substância considerada tóxica quando inalada ou ingerida, e também causa controvérsia quando o assunto é câncer, sendo um potencial causador da doença, de acordo com a Agência Internacional de Pesquisa do Câncer, que faz parte da Organização Mundial da Saúde (OMS).

O composto dele possui um mineral que tem argila, silício, magnésio e oxigênio e acredita-se que ele pode ser o causador de problemas respiratórios , tosse e irritação nos olhos. Também pode ocasionar dor no peito e insuficiência pulmonar, pressão arterial baixa, convulsões, diarréia e vômito.

Leia mais: Mais de 40 pessoas são internadas na China com pneumonia de causa desconhecida

Em 2016, um estudo nos EUA acusou um aumento de 33% no risco de câncer de ovário por conta do uso de talco genital. O Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido classificou o estudo como muito pequeno para ser conclusivo, mas pontuou que ginecologistas recomendem sabonetes comuns e sem perfume para lavar as partes íntimas dos bebês.

Comentários Facebook