“Penso que tem alguém por trás”, diz avó sobre desaparecimento de jovem tangaraense localizado em SP

Marcos foi encontrado em Campinas (SP) na quarta, 12

Zeneide Ramos dos Santos, avó de Marcos Antônio Ramos dos Santos Souza, de 17 anos, que estava desaparecido desde a noite de segunda-feira, 10, em Tangará da Serra e foi localizado na tarde desta quarta-feira, 12, em Campinas, interior de São Paulo, acredita que há alguém por trás do sumiço do neto, que cria como mãe desde que ele era criança.

Ela disse que não sabe o que motivou o menino a tomar essa atitude. “Não se se foi por influência de alguém, talvez pela internet, porque ele nunca traz amigo na porta de casa, difícil sair de casa também”, disse, relatando que a rotina dele é ir ao trabalho, para um curso e ficar em casa.

A avó não sabe explicar como que ele conseguiu dinheiro para viajar para tão longe. Segundo ela, Marcos ganha pouco mais de 400 reais na empresa onde trabalha e comprou a passagem de ônibus para São Paulo, no valor de mais de 300 reais, no cartão.

“Eu penso comigo que tem alguém por trás disso. Tenho comigo que tem algum adulto por trás disso”, desconfia, relatando que ele nunca havia viajado sozinho.

Informações de uma testemunha, narradas para a família, dão conta de que uma caminhonete de cor escura verde escura teria dado apoio ao rapaz para se deslocar de Tangará da Serra para Cuiabá. “Diz que era uma caminhonete ver escura, com uma mulher loira e um senhor, eu não sei quem foi, não descobrimos ainda quem é”, disse a avó.

Zeneide disse que tudo o que mais quer é o neto de volta pra casa. “Eu não sei o que aconteceu, só sei que eu quero ele de volta”, disse, contando que era ele quem a ajudava, auferia pressão, buscava medicamentos na farmácia.

“Eu crio ele desde pequenininho e ele nunca me deu trabalho, só me dá prazer, estou com muita saudade, tenho chorado muito”, disse, emocionada, comentando que foram horas de angústia. “Parecia que o dia, que a noite não ia passar”.

“Devagarinho eu conversando com ele, porque ele é muito amigo, muito companheiro, eu vou tentar descobrir o que foi, o que passou pela cabeça dele, tudo o que fiz pelos meus filhos eu faço pra ele, pra mim ele é meu filhinho caçula, meu companheirinho”, completou, agradecendo a todos que ajudaram a localizar o rapaz. “Ontem eu não tinha condições, mas hoje eu gostaria de agradecer a todos que compartilharam, que se mobilizaram e ajudaram a localizar ele”, falou.

A família se mobiliza para arrecadar o dinheiro para a mãe ir buscar o rapaz em Campinas.

Comentários Facebook